quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Flamengo: Eduardo Banana de Mello e Barbieri

Sou Flamengo de coração, flamenguista mesmo, até morrer, as coisas que digo em alguns momentos são por amor ao Mengão então, se algum torcedor for se incomodar com críticas por favor NÃO LEIA.

O contestado treinador do Flamengo, que se dependesse do vice de futebol já não seria nosso treinador há algum tempo começou o jogo com uma escalação que me levou a crer. que adotou uma estratégia, fecha a casinha e contra ataca já que o Corinthians vai ter que sair para o ataque e aí, pimba, mas eis que vejo na escalação Henrique Dourado sozinho na frente, aí penso:

Ora pois, quem vai puxar os contra ataques?

Resposta: Ninguém, começou o jogo e o panorama sem contra ataque se desenhou, o Flamengo até se defendia bem, mas na hora de atacar e tentar de alguma forma fazer um gol, não saia nada, o time saía de maneira lenta e ineficiente ao ataque, o Corinthians pressionou e fez o gol, gol que não poderíamos tomar em hipótese nenhuma, principalmente para um time que fechou a casinha, que escalou um monte de gente no meio campo, para não dar espaço ao seu adversário, mas cadê que o esquema funcionava?

Ao tomar o gol o Flamengo fez a frase da moda no futebol atual valer, propôs o jogo, até comandou as ações, tocava pra lá, tocava pra cá, mas agredir de verdade? Nada, o Paquetá pisou bastante na bola, desatento, tentando jogadas improváveis e cometendo erros infantis, o Ribeiro, até se esforçava, mas se perdeu no emaranhado do time, o Diego? Burocrático, é estranho falar isso de um  jogador que admiro, mas apesar de se esforçar ele tem sido apenas isto, burocrático, o Arão teve seu momento, um grande passe para o Pará em nosso gol de empate, mas em se falando em Pará, ele e o Ribeiro estavam olhando a bola no primeiro gol do Corinthians resultado tomaram bola nas costas com o resultado já sabido.

Uma coisa que me chama a atenção, é que sempre ouvi da boca de grandes treinadores e grandes jogadores uma palavra chave:

Entrosamento, mas como este irá acontecer se tiver um professor Pardal que mexe toda hora no time, achando que isto é moderno?

O que dizer das substituições?

Em minha opinião foi um erro escalar o Dourado de cara, afinal todos nós sabemos que ele está longe de ser um jogador hábil de técnica refinada e veloz, sabemos que ele é um cara que confere bolas perdidas ou divididas e bate muitíssimo bem penaltis, aliás, isso também me traz uma pergunta:

O Dourado é disparado o melhor batedor de penalti do Brasil e foi substituído faltando cerca de vinte minutos para acabar o jogo, o que aconteceria se o Flamengo milagrosamente, empatasse o jogo? Quem seriam os batedores? E se nós perdêssemos mais uma decisão por penaltis?

Nosso treinador, e espero honestamente que ele seja nosso ex-treinador, a partir de hoje, só fez bobagem, mas fez essas bobagens, com o respaldo de nosso presidente, que cisma de se meter em algo que ele não entende, aliás, por falar em nosso presidente, ainda bem que ele está saindo, ótimo, bancou de manter o plano administrativo que a chapa azul defendeu seis anos atrás, parabéns, agora vá e não volte mais, não aguentamos mais tanto vexame e vexames que tem a forte e decisiva deste presidente.

Alguns coisas para serem feitas necessitam de uma forte dose de personalidade e coragem, coisas que o EBM não apresentou em momento algum, adeus, boa sorte e só para constar, não votarei em você para deputado, aliás, para nada.

SRN!!!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem vindo querido flamenguista, expresse sua opinião.

Flamengo: Eduardo Bandeira de Mello e a Nebulosa venda de Paquetá

Pois é, foram dois mandatos como mandatário do maior clube do Brasil, o Flamengo, seis anos entre acertos administrativos acertados quando ...