domingo, 16 de setembro de 2018

Flamengo e a reprise de 2017

O ano é diferente, o treinador é diferente, o elenco mudou mas ao que tudo indica o ano de 2018 tem tudo para acabar igual ou muito parecido com o de 2017.
O ano de 2017 terminou para o Flamengo sem conquistas relevantes, com algumas decepções significativas e a certeza que algo deveria mudar na gestão do futebol, mas ao que tudo indica nada mudou, o Flamengo foi eliminado na Libertadores, tem uma campanha que deixa a desejar no Brasileirão e só pode salvar o ano se tiver uma conquista de título na Copa do Brasil.
Apesar de a Copa do Brasil ser hoje minha competição favorita, devido ao seu formato, conquistar apenas esta competição é muito pouco para um time que investe tanto em contratações, alguns aliás muitos, falam em raça, hoje honestamente não vejo que seja isto, vejo que seja a falta de alguém em condições de fazer a gestão do time alguém com peito e coragem para mudar, para barrar, mas também em condições de orientar, esquecer esse pensamento que a imprensa tanto divulga, de ter estudiosos, modernistas e etc, no futebol o mais importante em minha modesta opinião é vencer e não menos importante é jogar bem, pouco importa se o esquema é o da moda como o tal 4-1-4-1 ou 4-4-2 ou até mesmo o 3-5-2, nosso treinador também precisa entender isto, insistir em um esquema que é diferente das características dos jogadores do elenco, isto sim é antiquando.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem vindo querido flamenguista, expresse sua opinião.

Flamengo: Eduardo Bandeira de Mello e a Nebulosa venda de Paquetá

Pois é, foram dois mandatos como mandatário do maior clube do Brasil, o Flamengo, seis anos entre acertos administrativos acertados quando ...