terça-feira, 26 de março de 2013

Se nossos dirigentes, imitadores de europeus, esvaziarem os estaduais revelaremos cada vez menos talentos

É frequente dirigentes e imprensa brasileira falar em diminuir o tamanho dos estaduais, alegam problemas de calendário, renda, entre outros motivos que realmente existe, porém existem mais pela total incompetência dos nossos dirigentes, que sempre que se deparam com nossa realidade tentam imitar os europeus, o velho mundo, que para eles é mais evoluído, lá não tem campeonato estadual, todos os títulos disputados são nacionais, campeonatos nacionais, copas do rei, copa disso, copa daquilo, disputar vaga para entrar um campeonato ou torneio nem sabem em que fase vão chegar, afinal, é um torneio de mata-mata, e por incrível que pareça, apesar dos pontos corridos dos nacionais, é pelas copas tanto nacionais como continentais que eles mais se empolgam, justamente pela emoção da decisão, mas vamos voltar ao "desejado" fim dos estaduais.
   Todos os defensores que defendem o fim o esvaziamento dos estaduais esquecem de alguns detalhes, que são importantes e até porque não dizer importantíssimos, esquecem que os países europeus não possuem estaduais por serem países fisicamente pequenos, de poucos clubes, sabemos nós que países como Espanha, Itália, Alemanha, dentre outros são países que cabem diversas vezes no Gigantesco Brasil, até mesmo países geograficamente maiores como Rússia  possuem dois ou três clubes por estado fazendo com que as disputas regionais se voltem para os torneios nacionais, se esquecem que no Brasil, para citar a cidade onde moro temos os Flamengo, Vasco, Botafogo, Fluminense, América, Olaria, Bonsucesso, Bagu e muitos outros, temos mais de vinte clubes só no rio de janeiro, aliás acredito que muito mais do que isto, clubes que possuem estádios, sedes e principalmente, clubes que exercem uma grande função social empregando pessoas e abrindo as portas dos esportes para muitas crianças e adolescentes, tirando-os das ruas, clubes que revelaram jogadores como Romário  Ronaldinho Fenômeno, Leonardo, Gonçalves, Dedé (para quem não sabe ele foi revelado no volta redonda) dentre muitos outros que certamente lembraremos se forçarmos um pouco mais a memória, ora meus caros dirigentes imitadores de europeus, vamos tirar novos jogadores de onde se os pequenos clubes forem ainda mais esvaziados? Em sua "vasta" sabedoria já se perguntaram isso? Vamos entregar cada vez mais a descoberta de novos talentos nas mão dos empresário e depois reclamarmos que uma boa parte deles revelam jogadores medíocres para ganhar dinheiro com produtos de péssima qualidade e caros, como temos visto atualmente? Parem de ser imitadores e descubram soluções de acordo com o que temos e precisamos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem vindo querido flamenguista, expresse sua opinião.

Flamengo: Eduardo Bandeira de Mello e a Nebulosa venda de Paquetá

Pois é, foram dois mandatos como mandatário do maior clube do Brasil, o Flamengo, seis anos entre acertos administrativos acertados quando ...